Perseguição na Nicarágua: Governo Proíbe Procissão da Imaculada Conceição

A tradicional procissão da Imaculada Conceição, marcada para acontecer nas ruas da capital, Manágua, está agora em risco na Nicarágua. A emblemática procissão organizada pela paróquia do Sagrado Coração de Jesus anunciou, através de uma publicação no Facebook, que este ano a Virgem não percorrerá as ruas, sem oferecer uma explicação clara. "Como é triste que não tenham concedido permissão para a procissão! Mas, diante das adversidades, a fé sempre prevalece e nada nem ninguém pode negar que a Nicarágua pertence a Maria. Viva a Santíssima Virgem!", lamentou um fiel da paróquia.

O governo nicaraguense, liderado pelo presidente Daniel Ortega, proibiu formalmente a procissão da Imaculada Conceição, que acontece no dia 8 de dezembro. A paróquia São José de Tipitapa, pertencente à arquidiocese de Manágua, expressou profunda tristeza em um comunicado, destacando que a proibição é mais um episódio na perseguição recente contra a Igreja na Nicarágua. Desde 2018, a Igreja Católica no país enfrentou cerca de 400 ataques, conforme relatório da advogada e pesquisadora Martha Patricia Molina.

O governo, além de proibir eventos religiosos, expulsou o núncio apostólico, dom Waldemar Stanisław Sommertag, e mantém em prisão domiciliar o bispo de Matagalpa, dom Rolando Álvarez. Vários padres estão detidos na prisão de El Chipote, em Manágua, conhecida como centro de tortura. O regime também fechou meios de comunicação católicos e expulsou organizações religiosas, incluindo as Missionárias da Caridade de Madre Teresa de Calcutá.

Diante dessa repressão, o Padre Dulio Calero, pároco da Paróquia São José de Tipitapa, convida os católicos a continuarem celebrando Nossa Senhora com fervor e devoção, colocando tudo sob sua proteção e intercessão materna para o país e a Igreja.